Fluxo de atendimento

VEJA QUAIS SÃO OS CRITÉRIOS DE INCLUSÃO DE DEPENDENTE QUÍMICO PARA RECUPERAÇÃO/TRATAMENTO EM COMUNIDADE TERAPÊUTICA DO ESTADO DO TOCANTINS.

 1º – Adesão ao tratamento;

 2º – Prévia avaliação clínica do dependente químico nos serviços públicos de saúde, a fim de avaliar o grau de comprometimento no âmbito orgânico e/ou psicológico;

 3º – Assegurar a liberdade religiosa, conforme art. 5º inciso VIII da Constituição Federal, no atendimento dos dependentes.

 4º – Garantir que, o que está previsto no Art. 19 inciso VII da Lei 11.343/2006 na qual afirma que, “o tratamento especial dirigido às parcelas mais vulneráveis da população, levando em consideração as suas necessidades específicas e ainda atender os Parâmetros para avaliação técnica quanto à vulnerabilidade social: prioridade a criança e adolescente (art. 4º do        ECA), portadora de deficiência (art.2º, II, d da lei 7853/89) e idoso (art. 3º, Estatuto do idoso), renda per capta, perda de vínculos familiares, estar incluso no Cadastro Único da Assistência Social – CAD ÚNICO, não tenha abandonado tratamento;

 5º – A família deve acompanhar o processo de recuperação/tratamento do dependente químico, de acordo com instrumentos criados pela Comunidade Terapêutica, com finalidade de contribuir para o processo de geração de renda, para a reinserção social, potencializado a circulação dos objetos por eles produzidos, tendo em vista que um dos pilares do projeto terapêutico é “trabalho”.

 6º – A família deve participar de grupo de ajuda mútua durante o processo de tratamento do dependente, tendo a sua participação confirmada pela coordenação do grupo.